Ênio Favacho, Ph.D.

Colunista MAKIR - CEO MAKIR EDIÇÕES

COLUNA NEGÓCIOS EM FOCO

uma exclusividade MAKIR Edições

 
  • Por que os livros são tão caros no Brasil?

Certa vez, numa conversa informal durante um jantar entre amigos, um dos convidados presentes - sabendo que eu era editor - me fez a seguinte pergunta: "Ênio por que os livros são tão caros no Brasil? E os e-books!?"

Mas essa não é uma pergunta oportunista. Centenas e milhares de leitores pelo país se pergunta a mesma coisa. Confesso que, por alguns tempo, me fiz a mesma pergunta e quando resolvi entrar no mundo editorial comecei a perceber que muitas coisas - inclusive o preço de uma obra - não depende, somente, do editor. Vejamos a Tabela 1 ao lado:

. Vamos começar com o custo de um livro impresso. Consideremos o preço de uma obra a R$50,00 vendido numa livraria qualquer - o que chamamos de "Preço de Capa". Esse é o valor ao consumidor que retira o livro da estante. Mas para que este livro esteja na estante de uma livraria (qualquer uma do shopping que você frequenta) metade desse valor, ou seja, R$ 25,00 ficam na livraria. São os chamados "Custos Comerciais". Mas esse livro foi escrito por alguém que detém os "Direitos Autorais da Obra", no caso o Autor, o qual recebe 10% do valor do preço de capa toda vez que alguém compra um livro numa livraria. No entanto, para que esse autor possa ter sua obra na estande de uma livraria, é necessário que o livro seja impresso e planejado através de um Projeto Editorial, que envolve diagramador, capista, revisores... uma gama de profissionais especializados para dar forma ao que o autor idealizou em sua mente. Para esta façanha, ficam retidos em custos 1/4 do preço de capa, aproximadamente. E por fim, chegamos ao percentual de participação da Editora - e que está longe de ser o lucro -  que registra a obra, edita, revisa, traduz par outros idiomas, publica, divulga, promove, protege os direitos do auto e mantém suas portas abertas (aluguéis, assinaturas, serviços): 15% do preço de capa. Assim, tanto o autor quanto a editora, só recebem seus percentuais na medida em que os livros forem sendo vendidos, retirados da estante de uma livraria.Em média, o tempo gasto para que uma tiragem de 5.000 exemplares saia das estantes das livrarias é, em média, 3 anos. O mesmo tempo que o autor e a editora levam para receber seus percentuais - se tudo der certo. Lembrando que esses são números aproximados e que pode mudar de editora para editora.

. E quanto ao livro digital? Algumas coisas vão mudar, mas não se anime muito porque apesar de alguns itens não fazerem mais sentido, outros assumem o seu lugar. Digamos que um e-book ou livro digital (nas suas mais diversas extensões) tenha o preço de capa de R$50,00 como no livro impresso. Observem a Tabela 2: A primeira observação é quanto ao Custo Comercial. Talvez se imaginasse que as livrarias digitais fossem mais modestas, mas os serviços oferecidos são equivalentes ao do livro impresso em suas peculiaridades. As principais do mercado são: Apple, Kobo, Google, Saraiva... A Apple costuma ficar com 30% para Custos Comerciais; já a Kobo acompanha a sua parceira, a Livraria Cultura; A Google não acompanha esse nível pois livros digitais em si não são o seu principal negócio; já a Saraiva costuma manter o mesmo custo dos livros físicos. Outra observação é quanto aos diretos autorais que são maiores em função da diminuição dos custos do Projeto uma vez que não há a necessidade de impressão, mas existem outros custos como o DRM*, logística de distribuição e armazenagem (todos digitais, mas há custos). Daí então vemos um aumento na participação das editoras. Se considerarmos que o mesmo público que compra livros em papel venham a consumir livros digitais, as editoras teriam encontrado a saída para seus caixas, mas a realidade é outra: em 2014 o mercado de livros digitais representava 0,5% do mercado de livros impressos. Que, na pratica, acaba por deixar de ser interessante investir nesse mercado, atualmente. Mas a Tabela 2 não representa a realidade do mercado digital. Em linhas gerais, tirando-se uma média dos preços praticados pelas livrarias mencionadas acima, o custo de um livro digital chega a ser de 30% a 40% mais baratos que o livro impresso a fim de atrair o público consumidor desse mercado. Ocultando detalhes como royalties e outros custos envolvidos (que não aparecem no livro impresso) chegamos a um custo mais realista como mostra a Tabela 3.

Bem, de qualquer maneira, seja de forma impressa ou digital um livro sempre será o alvo de todo autor, pois este deseja que seus pensamentos e impressões do mundo sejam vistas pela maior quantidade de pessoas possíveis, e é claro, ser recompensado pelo seu trabalho.

* DRM: Digital Right Management (gerenciamento de direitos digitais) é o conjunto de tecnologias utilizadas em conteúdos digitais para controlar a criação de cópias não autorizadas. Cada empresa utiliza um tipo de DRM diferente, mas todos possuem características semelhantes. A intenção é salvaguardar os diretos autorais desses conteúdos.

Referências:

  • https://www.tecmundo.com.br/3023-o-que-e-drm-.htm
  • http://cultura.estadao.com.br/blogs/babel/44-da-populacao-brasileira-nao-le-e-30-nunca-comprou-um-livro-aponta-pesquisa-retratos-da-leitura/
  • http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2016/05/1772898-no-brasil-54-nao-consome-literatura-por-vontade-propria-aponta-pesquisa.shtml
  • http://livraria.senado.leg.br/e_direitos_autorais
  • https://www.shereland.com/blog/livros/rodape/perfil-do-leitor-brasileiro-generos-preferidos
  • http://prolivro.org.br/images/antigo/3074_2.pdf

Tabela 1: Custos de um lívro impresso.

Tabela 2: Custo impresso=custo digital

Tabela 3: Custos de um livro digital.

 

Copyright MAKIR PUBLICAÇÕES & NEGÓCIOS